Entre a enorme quantidade de itens que devem ser gerenciados nas empresas, um deles guarda por vezes um engano traiçoeiro. Estamos falando do frete. Uma palavra pequena, que se parece com um detalhe na transação, mas que possui uma série de características que podem induzir ao erro até mesmo com o melhor dos gerentes. Com a evolução da logística associada à tecnologia da informação, percebe-se que o frete é composto por alguns elementos que devem ser observados mais de perto. Saiba onde você está perdendo dinheiro no valor do frete com as nossas dicas a seguir:

1. Volume

O manuseio de grandes volumes é sempre um fator que preocupa todos os envolvidos no transporte. Essa preocupação acaba por se transformar em custo extra. É comum essa situação acontecer apenas quando é tarde demais para se prevenir. Sempre que possível, analise a cubagem resultante e planeje a forma mais racional para o transporte.

2. Seguro

Dependendo do tipo de carga, o preço do seguro pode influenciar de maneira significativa o custo final. Cargas mais leves nem sempre têm um seguro barato. O volume e o custo da mercadoria é fator de grande influência e pode custar caro. O ideal é fazer pesquisa de preços com regularidade e aproveitar diferentes ofertas das seguradoras.

3. Rotas

O percurso da mercadoria não deve ser planejado apenas em função da distância entre os terminais. Algumas rotas possuem trechos ruins e gerariam custos extra. Um percurso mais longo pode valer a pena se as condições das rodovias forem melhores. A economia de combustível, pneus e segurança podem refletir em custo mais baixo. Vale a pena criar alternativas.

4. Embalagem

Independente do tipo de seguro da carga, é importante cuidar para que a embalagem seja adequada à fragilidade do produto. Isso é sempre recomendado, embora seja bastante esquecido. As cargas frágeis acabam por ter um custo maior sem necessidade. O preço desse tipo de serviço aumenta justamente para cobrir eventuais perdas por causa do manuseio. É interessante otimizar essa situação.

5. Segurança

Infelizmente são comuns roubos e assaltos nas estradas. São gangues especializadas em roubo de carga, principalmente valiosa. O transporte em si não é problema, mas a exposição a esse tipo de violência acaba por encarecer o serviço. A melhor maneira de se precaver é obter o máximo de informações sobre o assunto e agir preventivamente.

6. Localização

A localização dos terminais de carga é decisiva no momento de pegar a cotação do frete. É comum um preço mais barato quando o terminal situa-se na capital de um estado. Acontece que nem todos conhecem as cidades que fazem parte das regiões metropolitanas e pensam que o preço deve ser cobrado como se a cidade fosse do interior do estado. É fundamental negociar com atenção sobre essa questão. Muita gente não percebe que está pagando mais desnecessariamente.

7. Cotações

Parece óbvio, mas não é. Cotar com várias empresas é um costume saudável. Algumas transportadoras encontram soluções mais baratas e repassam a economia para o cliente. Muita coisa pode mudar entre uma empresa e outra.

Muitos outros itens devem ser observados na hora de contratar o transporte. Por ser uma pequena palavra em meio a uma complexa operação de logística, o frete pode ser um fator de economia ou mesmo de perda de dinheiro.

Os atuais sistemas de business intelligence podem ajudar a identificar várias dessas armadilhas que diminuem a eficiência de uma grande operação. Por essa e por outras razões é preciso se atentar.

Gostou das nossas dicas?

Compartilhe e deixe seu comentário!

Escrito por Lupeon

Aportada pela SP Ventures - Fundo de Inovação Paulista, a solução Lupeon une tecnologia e serviços definindo estratégias para reduzir custos com transportadores, identificando cálculos com erros, fraudes e duplicidades. Uma plataforma de gestão, auditoria e otimização para levar mais inteligência à gestão do frete.